Veado campeiro, parcialmente albino, é visto em florestas da Eldorado Brasil

2028
visualizações

A presença incomum de um veado campeiro parcialmente albino, caracterizado pelo
distúrbio genético conhecido como piebaldismo, nas florestas plantadas de eucalipto
em Inocência (MS), proporcionou um registro raro, feito pelos colaboradores da
Eldorado Brasil. As aparições foram capturadas em imagens que destacam a beleza
singular desse animal, em um ambiente pouco convencional para sua espécie.
Segundo o professor especialista em cervídeos e doutor em genética da Unesp
Jaboticabal, José Maurício Barbanti Duarte, a observação desse animal em uma área
tão incomum de seu habitat natural é uma surpresa para pesquisadores e
especialistas na área. Isso pode estar relacionado à busca por proteção que esses
animais não encontram em seu ambiente habitual e as sombras que os eucaliptos
oferecem. Esse sombreamento extra pode ser particularmente benéfico para esse
indivíduo, que normalmente ocupa campos abertos, onde a exposição ao sol é mais
intensa.
As observações ocorreram em três fazendas da Eldorado Brasil, dedicadas ao cultivo
de florestas para a produção de celulose. O primeiro avistamento ocorreu em janeiro
de 2020, na fazenda Santa Helena, seguido por um último registro em novembro de
2023, na fazenda vizinha, São Matheus. Ao longo desse período, foram documentados
15 avistamentos, sendo a maioria deles (11) na fazenda Santa Helena.
Embora ambas as áreas sejam utilizadas para o cultivo de eucalipto, elas também
abrigam áreas de conservação, reserva legal e de preservação permanente.

O veado campeiro é uma espécie historicamente distribuída por toda a região central
da América do Sul, podendo ser encontrado em diversos biomas, incluindo a Caatinga,

o Cerrado, o Pantanal e os Campos Sulinos. Adaptado a ambientes de vegetação
aberta, não é comumente associado às florestas.
Em espaços muito abertos, como esses, os animais com albinismo têm poucas
chances de sobrevivência. Portanto, os ambientes com florestas de eucalipto podem
estar desempenhando um papel crucial na sobrevivência desse animal, de acordo com
o professor.
A Eldorado Brasil Celulose, responsável pelas fazendas, mantém mais de 293 mil
hectares de florestas plantadas em Mato Grosso do Sul, realizando monitoramento
regular da fauna e flora, o que possibilita registros como esse. Nessas áreas, também
já foram flagradas outras espécies, como onça-parda, tatu-canastra, cachorro-vinagre
e outros animais.
Esse monitoramento rigoroso fundamenta a recomendação que a empresa recebeu
para Declaração de Serviços Ecossistêmicos do FSC ® (Forest Stewardship Council ® –
FSC-C113536 – Conselho de Manejo Florestal), um acréscimo significativo à sua
certificação de manejo florestal, atestando os impactos positivos de suas práticas na
conservação da biodiversidade, no sequestro e armazenamento de carbono, além do
manejo responsável das bacias hidrográficas.
“A certificação reforça o nosso compromisso com as boas práticas de ESG
(Ambiental, Social e de Governança) e destaca a eficácia das nossas políticas e
ações em prol da conservação da biodiversidade. O registro do animal nos
orgulha e comprova nosso manejo responsável e o bom convívio entre as
espécies”, afirma André Lucas Almeida de Lima, Biólogo, que atua na área de
sustentabilidade da Eldorado Brasil.
Além disso, a empresa desenvolve iniciativas que potencializam os benefícios das
florestas, como o Programa de Restauração Ambiental, que recupera áreas
degradadas, preservando a diversidade biológica e fortalecendo a regeneração
natural, enquanto o Estudo de Conectividade dos Fragmentos Florestais define
corredores ecológicos para garantir a continuidade genética entre os fragmentos. A
empresa também promove o Programa Você e o Bicho, incentivando o registro
voluntário de animais silvestres por seus colaboradores, contribuindo para o
entendimento da fauna local e para a conscientização por meio da educação
ambiental.

Sobre o veado campeiro
O veado campeiro é uma espécie que pesa em média cerca de 30kg. Os machos
apresentam chifres, geralmente com três ramos em cada lado, totalizando seis pontas
quando adultos. Esses chifres são trocados anualmente, sendo a única espécie
brasileira com ciclos anuais de chifres.
Em sua dieta, esses animais são predominantemente herbívoros, alimentando-se de
brotos arbustivos e arbóreos, evitando que essas plantas dominem os espaços
abertos que preferem habitar. Dessa forma, desempenham um papel importante como
“engenheiros” do ecossistema.
Este cervídeo é notavelmente dócil e permite a aproximação das pessoas, o que é
raro em outras espécies. Sua presença é facilmente avistada na vida selvagem, o que
não ocorre com muitas outras espécies que tendem a se esconder na mata. Porém,
essa visibilidade aumentada também os torna mais vulneráveis à caça, representando
uma ameaça significativa para sua sobrevivência.

Albinismo e piebaldismo em cervídeos
O albinismo é um traço genético recessivo amplamente reconhecido, tanto em
humanos quanto em outras espécies animais. Nos animais afetados, a ausência de
pigmentação resulta em pelagem completamente branca e olhos vermelhos. Por outro
lado, o piebaldismo é uma condição na qual ocorre um clareamento parcial da
pelagem, mantendo os olhos escuros e algumas regiões do corpo com pigmentação.
Geralmente, essas características se manifestam em populações onde há
cruzamentos endogâmicos, ou seja, entre parentes próximos, o que facilita a
expressão desses genes recessivos.
Embora o albinismo possa conferir uma aparência pitoresca aos animais afetados, é
importante observar que sua ocorrência frequentemente está ligada a relações
consanguíneas. Isso ocorre em populações com tamanho reduzido, onde a endogamia
se torna mais comum.
“Fenotipicamente, o albinismo não é favorável para a espécie, pois os animais
tendem a apresentar uma alta incidência de carcinomas devido à falta de
proteção na pele. Na natureza, essa característica tende a ser eliminada ao longo
do tempo, uma vez que os animais afetados têm uma expectativa de vida
significativamente reduzida em comparação com aqueles sem a condição”,
explica Duarte.
Para um animal com albinismo ou piebaldismo, áreas de floresta como essa podem
desempenhar um papel crucial. O sombreamento oferecido pelo ambiente florestal
pode ser essencial para a proteção desses indivíduos contra os efeitos nocivos da
exposição solar, contribuindo assim para sua sobrevivência.

SOBRE A ELDORADO BRASIL CELULOSE
A Eldorado Brasil Celulose é reconhecida globalmente por sua excelência operacional
e seu compromisso com a sustentabilidade, resultado do trabalho de uma equipe
qualificada de mais de 5 mil colaboradores. Inovadora no manejo florestal e na
fabricação de celulose, produz, em média, 1,8 milhão de toneladas de celulose de alta
qualidade por ano, atendendo aos mais exigentes padrões e certificações do mercado
internacional. Seu complexo industrial em Três Lagoas (MS) também tem capacidade
para gerar energia limpa para abastecer uma cidade de 1,4 milhão de habitantes. Em
Santos (SP), opera a EBLog, um dos mais modernos terminais portuários da América
Latina, exportando o produto para mais de 40 países. A companhia mantém um forte
compromisso com a sustentabilidade, inovação, competitividade e
valorização das pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui