Governador, ministra e presidente da Petrobras visitam UFN3, em Três Lagoas

725
visualizações

Espera antiga da população da região leste do Estado, e importante para produção de fertilizantes de todo país, a fábrica da UFN3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados), em Três Lagoas, foi palco da visita técnica feita pelo presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. O governador Eduardo Riedel e ministra Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), também visitaram a obra no final da manhã desta sexta-feira (26).

“Hoje é o primeiro passo para revitalização e reaprovação da planta da UFN3. Uma vistoria técnica para vermos de fato a estrutura, porque para administrar precisamos conhecer como está a planta”, afirmou o presidente da Petrobrás.

Jean Paul destacou que já segue em curso uma avaliação técnica, econômica e ambiental do projeto. “Uma vez definida esta viabilidade econômica, nós então poderemos anunciar o retorno da obra, assim como edital de contratação”, completou.

O governador Eduardo Riedel afirmou que Mato Grosso do Sul está preparado para receber estes grandes investimentos. “Um projeto como este não afeta apenas a economia de Três Lagoas e sim de toda uma região. As cidades estão passando por uma transformação vigorosa, com recursos aplicados que vão prepará-las para receber este boom de crescimento, neste ciclo positivo em todo Estado”.

Riedel citou que novos investimentos e projetos vão contribuir para a retomada da UFN3, como a construção de malha ferroviária na região. “A ferrovia vai de Três Lagoas a Aparecida do Taboado, sobe ao norte e desce a Santos pela malha paulista. Um grande ganho potencial competitivo para fábrica”.

A ministra Simone Tebet ponderou que a obra será a maior fábrica de fertilizantes nitrogenados da América Latina. “O Brasil chegou a produzir 50% de fertilizantes que consome e hoje tem apenas entre 15% e 16%. O Governo Federal apoia este investimento da Petrobrás, que vai impactar positivamente as lavouras, agronegócio e colocar comida mais barata na mês do povo brasileiro. Um sonho de Três Lagoas e uma necessidade ao desenvolvimento do Brasil”.

“A Petrobras tem interesse em investir no setor de fertilizantes para promover a sinergia com o agronegócio, reduzir a dependência do país em relação à importação de fertilizantes e gerar emprego e renda. Além disso, somos uma empresa integrada, que está olhando para o futuro e para a transição energética. Com a nossa capacidade tecnológica e operacional, facilidade logística e acesso a matéria prima, temos todos os elementos para fazer essa transição que é o futuro da Petrobras e das principais petrolíferas do mundo”, disse Jean Paul Prates.

Durante a visita às obras, funcionários da estatal apresentaram aos visitantes detalhes do andamento do projeto e da produção de fertilizantes, que podem ser produzidos na fábrica.

Economia da região

A conclusão das obras e funcionamento da UFN3 é muito aguardada pela população e autoridades do Mato Grosso do Sul devido a sua importância para fortalecer a economia da região, com geração de empregos, aumento de renda, além de impulsionar as atividades econômicas ao redor.

A UFN3 está em fase de estudo de viabilidade técnica e econômica e o processo de licitação para a retomada das obras pode ser iniciado ainda este ano. A estimativa é que sejam gerados até oito mil empregos diretos e indiretos com as obras de finalização da planta.

A obra da Petrobras começou em 2011 e foi paralisada em dezembro de 2014, com 81% dos trabalhos concluídos. Na época o valor orçado era de R$ 3,9 bilhões. A expectativa é que o processo licitatório para conclusão do projeto seja feito em dezembro deste ano, para que as operações na fábrica iniciem até o final de 2028.

A UFN3 surgiu com a expectativa de ser a maior fábrica de fertilizantes da América Latina, tendo como um dos objetivos reduzir a dependência do Brasil na importação do produto nitrogenado, dando mais autonomia nacional no setor de fertilizantes. Ela foi projetada para consumir diariamente 2,3 milhões de m³ de gás natural, fazendo a separação e os transformando em 3.600 toneladas de ureia e outras 2.200 toneladas de amônia por dia.

ATENÇÃO IMPRENSA: confira aqui o pack com imagens de apoio, sonoras e fotos do evento.

Leonardo Rocha, Comunicação Governo de MS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui